Pensando em morar fora do país ? Veja o que você pode enfrentar

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Morar fora do país tem se tornando um objetivo de um número cada vez maior de brasileiros, movidos por alguns fatores:

  • Situação econômica do país, que dificulta os investimentos e ascensão de carreira.
  • Segurança, tem sido um motivador para muitas pessoas.
  • Busca de mais vivência e conhecimentos culturais, através de intercâmbios.
  • Ganho de bagagem profissional.

Independente do objetivo, é importante que a pessoa tenha ciência de que ele pode ser alcançado, mas o caminho pode ser muito diferente do que muitos imaginam quando estão no Brasil.

Se você está pensando em morar fora do país, veja o que você pode enfrentar.

01 – Não há uma série de serviços comuns no Brasil

Um dos primeiros choques para quem vai para a América do Norte e Europa, principalmente, é não existir uma série de atividades rotineiras para boa parte da classe média, em especial as famílias:

  • Empregada doméstica, faxineira, passadeira, muitas vezes uma pessoa executando todas essas tarefas;
  • Empacotadores de supermercado;
  • Frentista;
  • Manicure e pedicure;
  • Porteiro;

E uma série de outras facilidades. O preço para ter é sempre alto, e com oferta baixa. Isso explica muito porque as pessoas se espantam pelos nativos serem muito mais caseiros que a visão muita cultura dá a entender.

É uma outra realidade onde as pessoas devem (re)aprender rotinas sem que isso represente uma decadência, até porque não representa para os nativos.

02 – País rico é diferente de povo rico

Esta é uma realidade, sem que isso seja necessariamente ruim; a desigualdade social existe menor escala que o Brasil na maioria dos países europeus, por exemplo , mas nenhum país terá oportunidades de riqueza para todos os seus habitantes.

Isso quebra a ideia de que seremos ricos apenas porque o país é rico. Além de ser uma ideia que precisa ser entendida economicamente com muito mais profundidade, milhões de pessoas passam por desafios de classes média e baixa em todos os lugares.

A não ser que a pessoa esteja indo para um emprego de alto nível ou com uma grande reserva financeira, ela passará pelos menos desafios.

03 – Regras existem e são cumpridas

Sim, as exceções podem existir, mas acredite: vai ser muito difícil encontra-las. Porque todos estão acostumados a fazer as coisas de um jeito e vivem bem assim, portanto não há motivo para que um brasileiro faça diferente.

Este é um grande choque para os brasileiros que estão acostumados a chegar atrasados a compromissos, usar de artifícios para ser atendidos mais rápido ou simplesmente não cumprir determinada regra que é muito complicada.

Nesses países, faz-se as coisas da forma como é decidido. Até que mudem a forma.

04 – Existe o choque de hábitos

Esse é o exercício diário que começa no item 3 – as regras que são cumpridas – e se espalha por vários aspectos do dia a dia.

A forma de cumprimentar, de comparecer a eventos, funcionamento de comércio, o nível de relacionamento com vizinhos, os rituais de diversão (ou a simples falta deles), tudo acontece de forma rápida, testando a resistência de um povo latino e acostumado com um excesso de contato físico e cordialidade.

Com o tempo, tudo se encaixa da melhor forma, quando entendemos que é um outro jeito de viver cada aspecto e necessidade da vida e que estamos inseridos nele.

05 – O exercício diário do idioma

Se considerarmos que nem em Portugal um brasileiro pode se sentir em casa em termos de idioma, o desafio de comunicação nos demais países é muito grande, e é importante se preparar bastante antes de morar fora do Brasil.

O Inglês é um idioma universal, então a fluência nele pode melhorar bastante a experiência em diversos países onde a fluência nele é uma realidade para a maioria das pessoas.Com essas dicas e visões da vida de um brasileiro fora do país, você pode ser bem sucedido na experiência de um intercâmbio, por exemplo, e ganhar muita vivência e bagagem cultural para a vida.